Blogger Widgets

Mini-opiniões: O guia do herói para invadir o castelo - Christopher Healy

Parece que eu li o primeiro livro (O guia do herói salvar o seu reino) esses dias, mas fui pegar o link da resenha e faz um ano! GENTE? O que fizeram com o calendário desse ano? Enfim...
Como se trata de uma série e este é o segundo livro, resolvi fazer um "mini-opiniões", porque ambos os livros têm as mesmas características (de estrutura, narração etc), o que quer dizer que toda diversão é prolongada. Quer dizer, a diversão é para o leitor, já que para os príncipes, os desafios nunca acabam. Obviamente, o primeiro livro não teve um final exatamente feliz, já que, apesar da conquista dos príncipes, o Rei Bandido conseguiu ofuscar os protagonistas em seu momento de glória. Diferente do que eu esperava, o segundo livro toma outro rumo que não recuperar (só) o que lhes foi roubado neste final - uma certa pessoa resolveu mostrar que estava bem acordada e querendo conquistar mais um reino. Unidos novamente para resgatar um objeto, os príncipes se lançam em mais uma aventura cheia de contratempos e confusões - como já é intrínseco dos herdeiros não muito encantados. Considerando que trata-se de um livro infantil, seu tamanho me assusta. Para se adaptar ao público, o livro é dividido em partes e tem títulos de capítulos bem engraçados, o que ajuda o pequeno leitor a fracionar a leitura sem acabar esquecendo dos detalhes, assim como as ilustrações ajudam bastante na assimilação também. Sem dúvidas, é uma série que vou guardar para o meu filho ler, pois todo o universo criado pelo autor é muito lúdico e quase palpável, estimulando a imaginação - se até eu me vejo virando criança de novo lendo esses livros, imagina uma criança "de verdade"? Outro ponto bastante positivo é a personalidade dos protagonistas que são muito bem definidas e fáceis de perceber através dos diálogos descontraídos e naturais - destaque para o Frederico e o Ducan que têm meu ♥. Ah, claro, não posso deixar de falar dos caminhos que Christopher dá para seus príncipes: esqueça o que você leu nos contos, aqui nem todos os casais tem aquela química, então acaba rolando uma mistura de pares um pouco improváveis, mas de uma forma bem sutil, já que romance não é o foco, é muito mais a união, a amizade e tudo mais que eles acabam desenvolvendo e fortalecendo. Uma curiosidade: eles realmente formam uma liga de príncipes com direito e manifesto e tudo! Vale a pena ler e se divertir com esse pessoal.
 
1 comentários

Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1


Oi pessoal! Hoje vou falar um pouco sobre A Esperança - Parte 1 e do que eu senti quando assisti ao filme e um pouco sobre a série em si e a minha história com ela. (Isso acabou virando uma verdadeira análise!) Obviamente, se você não leu os livros, vai ter spoilers. Se você não assistiu ao filme vai ter spoilers do filme, mas ainda assim, eu garanto que vale a pena ler!


Quando os livros de Jogos Vorazes saíram, não senti vontade de ler. Esperei até o livro, literalmente, cair no meu colo, para ler (isso só aconteceu no aniversário do meu irmão, quando ele ganhou de presente e depois de ler super rápido, jogou em mim e me mandou ler.) Acabei achando a história legal, vi em Jogos Vorazes um ideal de mudança, envolvimento político e uma ideia gigantesca de controle do governo e coisas que outras séries que andavam saindo não abordavam. Suzanne Collins escreveu a série como uma crítica gigantesca aos EUA e senti isso muito forte, foi bem legal. Li a série toda em muito pouco tempo.

7 comentários

[Resenha+Promo] Garoto econtra garoto - David Levithan

Felizmente, não há regra para que a resenha comece contando uma novidade, porque o que vou falar chega a ser uma banalidade de tão conhecido: David Levithan é incrível. Sério, se você ainda não sabia, é porque nunca leu uma obra dele. Ok, talvez eu tenha dado sorte com os dois únicos livros que li, mas até parece que a vida é tão legal assim comigo. Todo Dia foi um dos melhores livros que li na vida (não tenho como dizer na morte, porque não sei se vou para o Paraíso - se eu for, óbvio que vai ter uma biblioteca lá; já que é impossível ser paraíso sem uma) e tão maravilhoso que, obviamente, não sei dizer sem parecer maluca ou redundante ou exagerada. Apenas divagando mais um pouquinho, deixa eu te dar uma dica: leia Todo Dia (e não esqueça de marcar suas passagens favoritas). Enfim, vamos ao objeto desta resenha: Garoto Encontra Garoto. O cara que o escreve continua incrível, afinal o título é permanente, mesmo que essa história não tenha ganhado um ♥ de favorito no Skoob. Mas garanto que foi por pouco.

Paul encontra Noah, mas no sentido literal (e menos romântico e assim mais real) da palavra - o encontra em uma livraria (♥) e logo depois tenta encontrá-lo de novo, dessa vez de uma forma mais permanente. E lá sentado na arquibancada está Noah de novo - o procurado. Momentos constrangedores, revelar-se por inteiro ou não?, faz mistério, mas está óbvio: é paixão e daquelas mais perigosas, que tem grande chance de virar amor. Porém, como está fadado a sempre haver um porém, garotos já foram magoados, garotos têm medo de serem magoados, garotos acabam magoados. É quando garoto precisa encontrar garotos e garotas e transgêneros. Sim, há um mundo desmoronando e necessitando de mais encontros.

"- Como eu nunca o vi antes? - pergunto.
- Talvez você só estivesse esperando a hora certa para reparar - diz Tony.
Pode ser que ele esteja certo."

Eu li em algum lugar (que eu jurava ser uma nota do autor no livro, mas acabei de procurar e tal nota não existe) sobre o nome do livro. O autor falava sobre a ideia inicial e, assim, acabava contando - a grosso modo - o plot do livro. SIM, o início, meio e fim e isso me assombrou durante a leitura, porque, bem, apesar das reviravoltas, eu sabia o que iria acontecer (mesmo sem saber como, mas sabia!), então, enquanto uma parte do meu coração queria chorar/sorrir, parte do meu cérebro dava uma debochada do tipo "dã, para de ser idiota, tal coisa vai acontecer/tal coisa não vai acontecer" e isso é chato pra cacete! Gostaria de ler o livro só com o ♥, mas era impossível quando minha mente tinha spoiler (e fazia questão de ficar postando na minha timeline interna). Dá pra entender? Já aconteceu com vocês? (Cara, tô divagando muito, eu sei) Meu conselho aqui é: não leia qualquer coisa sobre a intenção do autor com a história.

Aí a gente volta para aquela parte do autor ser incrível. CARA, É SÉRIO! Ele consegue deixar o texto tão leve e ao mesmo tempo tão profundo que pouco te importa o que tá acontecendo (calma, não é contradição), você só quer mais palavras e mais páginas. Depois de ler um pouquinho, você sabe que ele virá com uma reflexão - através de uma situação ou pensamento do personagem e lá estará você colocando mais uma tag para marcar um quote. Ou seja: o texto de Levithan é poderoso! Em contrapartida, não tem tanta profundidade dos personagens secundários, apesar de terem bastante espaço na trama - e cheguei a me confundir em certos momentos, mas aos poucos me acostumei e me apeguei, principalmente, ao Tony e a Infinity Darlene (que me fez rir bastante!), fiquei com raiva de Joni e queria tanto conhecer mais Noah...

Em muitos momentos me peguei pensando sobre o ambiente escolar criado pelo autor. Apesar de, no Brasil, estarmos passando por mudanças, ainda há muitos adolescentes que escondem sua orientação sexual por conta do preconceito e, algo que me chamou atenção foi o fato dos personagens não serem, em momento algum, hostilizados na escola e existir certa igualdade/política do "cada um no seu quadrado". Pela nossa realidade, eu esperava alguma crítica explícita quanto a isso, mas só posso imaginar que foi a forma do David falar que, apesar de estarmos acostumados com o contrário, aquilo que ele escreveu é o normal. E é mesmo. Por outro lado, foi abordado o preconceito na família e, cara, um beijo para ele que conseguiu racionalizar a não-aceitação. Sério, pelo que ele expôs, é compreensível e real (mas não passível de concordância).

Se você já leu algo do Levithan sabe que algumas coisas não têm rótulos ou explicações, apenas são. E o próprio autor poderia ser muitas coisas (como falei milhões de vezes, incrível), mas ele simplesmente é o que é. Este romance, por sua vez, é fofo, leve, reflexivo e divertido. Indico a leitura e desejo um mundo como esse. Amor, seja como for.


Sorteio do livro 
Em parceria com a Galera Record, vamos sortear um exemplar de Gatoto encontra garoto. Para participar, basta preencher o Rafflecopter abaixo. A primeira entrada é livre e, caso você não saiba como utilizar o formulário, este tutorial pode te ajudar ;)
*Não esqueça de ler os Terms and Conditions com as informações da promoção. Boa sorte! a Rafflecopter giveaway
17 comentários

Beta - Rachel Cohn

"Nos humanos, o que está dentro é algo que não pode ser visto – a alma. Aqui essa é a diferença fundamental entre vocês e suas Matrizes. Vocês não têm alma."



Demesne é uma ilha alojada nos mares equatoriais e que serve como uma espécie de “spa” ou “refúgio” para a classe alta. A ilha é rodeada pelo mar artificial Io, que possui águas violetas e borbulhantes, além de ser ocupada por um grande número de clones adultos, criados apenas para serem empregados dos humanos. Cada clone tem sua função determinada e esta é identificada pela tatuagem facial que recebem assim que são fabricados. Nenhum clone exerce a função de outro, pois tudo o que sabem está inserido no seu chip de programação.

Elysia também é um clone, mas é uma Beta. Clones adolescentes não eram criados por serem considerados imprevisíveis e com temperamentos explosivos. Por essa razão,  Elysia tem sido considerada a melhor criação da ilha, respondendo positivamente todas as expectativas e logo é posta à venda. Por sua beleza e excelente forma física, a Beta de 16 anos é comprada pela esposa do governador de Demesne para substituir a filha mais velha que fora estudar no continente. Desse modo, Elysia se vê prestes a descobrir se a vida humana é ou não a maravilha que sua programação a faz acreditar.

Beta foi uma grande descoberta e, nessa minha fase de leituras distópicas, simplesmente me apaixonei pelo livro. Muito embora o tema não tenha tanta originalidade, há uma riqueza incrível de criações inéditas e que a autora desenvolveu apenas para esta série. Desde canções, flores, veículos, mares, drogas e etc. Um fator que me agradou bastante é a narrativa em primeira pessoa, que nos dá a oportunidade de adentrar à mente de uma personagem que é um clone, que nunca teve contato com os mais diversos ambientes, sensações e sentimentos humanos. Faz-nos enxergar de um ponto de vista muito curioso, afinal ela não pensa como como nós. Ou pensa?

Outro detalhe é que, apesar de nossa tecnologia não estar tão avançada quanto a do livro, é fato que clones já foram/estão sendo produzidos. Não humanos, é verdade, mas o que os faz pensar que num futuro próximo isso não vai acontecer, hum? Talvez não estejamos mais por aqui, mas com certeza nossos filhos e netos estarão e, POXA, como eu queria ver isso acontecer. HAHAHAHA Esse foi, pra mim, um daqueles livros que dá uma tristeza quando vai chegando ao fim, mas ao mesmo tempo fica tão bom que você quer devorar e ele ainda é capaz de te deixar: WHAT? PARA O MUNDO QUE EU QUERO DESCER. Não só pela escrita leve e fluida da autora, mas também pela forma como a história foi desenvolvida, pela curiosidade, por personagens intrigantes e misteriosos... Sabe?

O texto é cheio de críticas sociais e, de certo modo, reflete a vida de muitos adolescentes ricos e com alienação parental. Além disso, é explicito o retrato da futilidade. Imagine só você ir à uma loja apenas para comprar um clone para alegrar seus dias. Lá lá lá lá lá... Sou ryca e phyna, então eu poooosso! Oi? Já mencionei a parte que para criar um clone é preciso que sua matriz MORRA? Não, né?  Diferente da realidade, onde se copia um outro ser e o mesmo permanece vivinho da silva, neste livro a matriz tem sua alma extirpada do corpo (e mandada sabe-se lá pra onde) e a pessoa simplesmente deixa de existir. É uma morte bem cruel.

A parte mais eletrizante é que nem tudo é perfeito e, lóoooogico, tem que sair alguma coisa defeituosa nessa história, hein? E é aí que surgem os revolucionários anti clones e os clones defeituosos. Todos querem liberdade e as pobres criaturas sem alma (ou com?) vão lutar com a própria vida para fazer justiça. Ui! Beta é cheio de reviravoltas, romance, tragédia, ação e muito suspense. O segundo volume da série estava previsto para esse mês e espero que esse lançamento saia conforme o combinado, pois assim a espera de que ele chegue logo ao Brasil pode ser suportável. Hehehe

Super recomendo a leitura para os fãs de distopia e para aqueles que desejam se aventurar pelas águas violáceas do mar de Io. Façam as malas e embarquem para uma aventura paradisíaca em Demesne.


8 comentários

Quatro - Veronica Roth

Eu amo a trilogia Divergente, mas sei que ela está longe de ser perfeita e seus (poucos) defeitos me incomodam muito. Lendo os livros de Veronica Roth, sempre tenho a sensação que ela foi genial, mas aí paro para pensar e acho a ideia excelente, mas um tanto quanto superficial - sempre que se termina um livro e muitas perguntas ficam sem respostas, há algo errado. Meu questionamento sempre tende para "e o resto?". Desde o primeiro volume fiquei curiosa sobre o restante do mundo, mas a autora não dá nenhuma pista e, mesmo quando sai da bolha, o ambiente continua limitado. Eu sabia que em Quatro esta pergunta não seria respondida, porque os contos se passam antes e no meio de Divergente e, quem leu a trilogia, sabe que as coisas até então, ainda são locais, por assim dizer. Posso dizer que isso fez com que a leitura fosse melhor, pois minhas expectativas se limitaram ao que a autora já tinha apresentado sobre Tobias nos outros livros.

Em Insurgente fiquei com uma sensação de que, assim como Tris escondia muitas coisas de Quatro, ele também o fazia e isso se confirmou aqui. Lembro dele ter falado sobre a Audácia de antes e de como as coisas mudaram, mas parecia ser só a desconfiança de algo estar errado, quando, na verdade, ele sabia do porquê de tudo aquilo. Obviamente, os acontecimentos daqui não comprometem/mudam o que li em Convergente, mas agrega muito ao que foi contato em Divergente e Insurgente - algo que explodiu lá, teve o começo muito antes, assim como algumas explicações (estou tentando não dar spoilers, mas algumas coisas que a Tris constata que ele já sabia, ele acaba por expor a situação completa aqui).

Enquanto a Tris me irritava cada vez mais nos dois últimos livros, Tobias me ganhou desde o início e esse amor pelo personagem ganhou mais força ainda com os contos, apesar de quase não reconhecê-lo em Convergente, já que sua voz foi igualada a de sua parceira e perdeu toda força que tinha. Aqui Tobias se mostra o cara forte que conhecemos, mas ainda em sua fase de formação, de encontro - quem ele é, afinal? Ele se encaixa em alguma facção? 

"Não sou Tobias Eaton, não mais, nunca mais. Sou um membro da Audácia."

Ele não foi para a Audácia pelo resultado do seu teste, foi a forma que ele encontrou de se libertar do seu pai e preciso dizer que ler A Transferência chegou a ser dolorido. Como eu já conhecia o personagem e já nutria certo afeto, me deu agonia ler a violência que ele sofria e cheguei a fechar o livro numa das aproximações do pai. Apesar dessa dor iminente, não tem tantas cenas de violência explícita, mas o medo que o Tobias sente é tão intrínseco que acaba por passar para o leitor. Essa parte é a que mais mostra a personalidade do protagonista, enquanto as outras acabam por revelar as diversas faces da facção que ele escolhe - ou o início do desvio do ideal. A Iniciação aborda, entre outras questões, a divergência do personagem e como era a iniciação até então, sem aquela competição de vida ou morte que acompanhamos em Divergente. Também conhecemos, de fato, Amah, o instrutor de iniciação que fora citado algumas vezes na trilogia. O Filho acabou por me surpreender, pois eu acreditava que a autora falaria sobre o "vértice comum", mas ela acabou por esclarecer uma passagem importante da trilogia (sem-facção e tal). O Traidor já vai para um ambiente a que estamos acostumados e começa no dia de visitas, aquele que lemos em Divergente, quando a mãe de Tris vai vê-la na Audácia. Aqui vemos muito do envolvimento deles, mas não se limita a isso - muitas coisas estavam acontecendo paralelamente, que, claro, a gente não desconfiava por só ter uma perspectiva (a da descoberta) da Tris.

Além dos contos, o livro conta com três cenas exclusivas de Divergente na visão de Tobias e, claro, todas envolvendo Tris. É fofo e ao mesmo tempo é de cortar o coração, porque, né. Four se tornou um dos meus personagens favoritos por suas inúmeras qualidades, entre elas a integridade. É incrível ver como ele é fiel aos seus pensamentos e ideais. É muito amor (e sofrimento hehe).

"Ela também confiou em mim, mesmo que Marcus não tenha confiado. Ainda vale a pena protegê-la, assim como sua mãe e o resto da facção na qual ela acredita. Então, é o que farei."

Eu adorei demais Quatro e acho que é indispensável para quem está lendo ou já concluiu a trilogia. Aconselho a leitura após Insurgente, pelo menos, já que tem alguns spoilers. Ainda estou decepcionada com a autora pela falta de profundidade do enredo (ele é profundo, mas não o suficiente para uma distopia de tanta complexidade). Uma coisa que me chamou atenção foi, na página 144, durante uma aula-teste de códigos, o Tobias falar "É como aprender um idioma, digo a mim mesmo." e eu fico me perguntando "como ele sabe que existem outros idiomas se em nenhum momento é citado um povo diferente deles, se nunca é citada a dimensão do mundo, se eles ao menos sabem o que é mundo?". Não sei se é algo da tradução ou se a autora realmente atribuiu um pensamento inverossímil ao seu personagem. Enfim, seja como for, falta de atenção e que acaba por comprovar minha ideia de que está faltando alguma coisa. Mas, de todo jeito, amo o ritmo dessa história como um todo, gosto da forma simples da autora escrever e gosto de todo enredo criado (mesmo com as ressalvas hahaha).
10 comentários

ADL: Iluminadas - Lauren Beukes

ADL = Abandono Definitivo de Livro. Este é o primeiro, mas você pode conferir a coluna ATL (temporário) aqui.


Este será meu primeiro post do ADL, mas este não é o primeiro livro que abandonei. Em toda minha vida “literária”, não concluí – e nem pretendo – outras 4 leituras. É uma boa estatística, levando em consideração que só compro/solicito/peço-de-presente livros que realmente quero ler e que se enquadram nos gêneros literários que tenho predileção. Portanto, é com infelicidade que coloco este livro na pequena lista de “abandonei”.

Iluminadas é um thriller transitório, onde presente e futuro se mesclam. É narrado em terceira pessoa, revelando o ponto de vista de diversas personagens (não apenas os dois protagonistas) e conta a história de um serial killer e de uma de suas vítimas. Harper Curtis é um zé ninguém, um bebum e um homem super violento, que acaba encontrando uma casa “enfeitiçada” e que se revela ser um portal capaz de transportá-lo no tempo. É meio bizarro, mas whatever.

A casa parece exercer algum tipo de influência maligna sobre ele e isso o instiga a cometer assassinatos brutais de garotas do outro lado da porta. Essas meninas são meio que “sugeridas” pela casa e por isso o nome do livro “Iluminadas”. Os crimes são perfeitos e praticamente impossíveis de serem solucionados, já que Harper pode desaparecer e arrumar o lugar para que nenhuma pista seja detectada. Porém, em 1992, Kirby Mazrachi se torna uma sobrevivente e investe seus esforços para encontrar o homem que tentou assassiná-la, iniciando assim, uma árdua investigação. Ponto.

Tem como não querer devorar o livro com uma história dessas? Mas fiquei muito desapontada. Primeiro porque achei a escrita da autora muito maçante, com excesso de detalhes que a meu ver eram totalmente desnecessários e que deixavam certos parágrafos cansativos e desinteressantes. Além disso, não é um texto que se desenrola facilmente e, se fosse, poderíamos superar a parte maçante e seguir com a leitura. Para piorar ainda mais a situação, a variação de tempo acaba por embaralhar ainda mais o desenvolvimento da história. Não que tivesse sido preguiça ou algo assim, pois em vários livros que li o (a) autor (a) também utilizou esse meio e tudo fluiu normalmente (por exemplo, O Circo da Noite, que muda praticamente de data a cada capítulo).

Entretanto, o que me fez desistir de fato do livro, foi uma pequena confusão (?) em relação a certas datas e as personagens. Vou exemplificar:

1 – Em 1931 Harper tem 30 e poucos anos.
2 – Em 1974 Kirby completa 7 anos. Então ela nasceu em 1967.
3 – Em determinado capítulo, Harper e Kirby se encontram em 1931. COMO, se somente ele atravessa a porta e viaja no tempo? E COMO Kirby estaria em 1931 se ela só vai nascer em 1967?
4 – Dan é o amigo repórter de Kirby o qual não me recordo a idade, mas que é narrado tanto em 1929, quanto em 1992/1993. Só aí são 63 anos. O que me intrigou foi a questão dele se apaixonar por ela, que em 1992 teria/faria 25 anos. Levando em conta que SE ele tivesse nascido em 1929, teria a idade que citei acima (63), mas como percebe-se na leitura, ele já é um adulto. Então... QUANTOS ANOS ele tem afinal? Não seria muito “velho” pra ela? MEGA estranho.

Viram a loucura? E ela se espalha entre vários capítulos e eu já estava pirando com o conjunto que citei no início e essa confusão de datas me fez fechar o livro e pensar: Que seja, vá deixar outro maluco. Humpf! E assim Iluminadas se tornou meu primeiro ADL do blog. A premissa é muito boa, que me faz lembrar, inclusive, de Esconda-se, da diva Lisa Gardner e que também conta a história de uma sobrevivente de um serial killer e etc. etc. etc. Uma pena que Iluminadas não seja tão bom quanto. Mas isso é uma questão de perspectiva, não significa que você não vá gostar/odiar ou algo do gênero. É aquela boa e velha história do “preciso ler e tirar minhas próprias conclusões”. Okay? Se alguém aí já leu e quiser desembaralhar meus neurônios, por favor, fique à vontade. E quem ainda não leu, minha única dica é: paciência. Se chegar até o fim, parabéns! Tiro o chapéu pra você.

P.S.: Espero não fazer outro post desses tão cedo. See ya!
4 comentários

[Promoção] 3 anos de Catavento de Ideias!

É aniversário de três anos do blog Catavento de ideias! E para comemorar o Este Já Li e mais 10 blogs se juntaram a ele numa promoção especial. Para participar basta conferir as regras abaixo e preencher os formulários. São dois combos e 4 ganhadores! Yay!

Regras e observações

  • Para participar preencha os formulários abaixo (Rafflecopter). 
  • Apenas a primeira entrada dos formulários é obrigatória, as demais são livres. 
  • Aberto para todo o território brasileiro. 
  • O resultado sairá nesse mesmo post. 
  • Os vencedores deverão responder o e-mail com seus dados de envio em até 48h ou o sorteio será refeito. 
  • Cada blogueiro participante ficará responsável pelo envio de um prêmio. 
  • Os prêmios serão enviados em até 40 dias a partir do resultado da promoção; 
  • Os blogs não se responsabilizam por extravios dos Correios ou entrega não realizada em decorrência de endereço errado por parte do destinatário.


Combo Novo Conceito
Serão dois ganhadores, o primeiro escolherá três livros, e o segundo ficará com os livros restantes. Kit NC completo a Rafflecopter giveaway

Combo SortidoSerão dois ganhadores, o primeiro escolherá três livros, e o segundo ficará com os livros restantes. Kit variado completo a Rafflecopter giveaway
7 comentários

Mini-opiniões: Profundamente sua e Para sempre sua

Oi, pessoal. Já falei aqui do primeiro livro da série Crossfire, Toda sua, e de como acabei me decepcionando com ele. Como eu sou uma pessoa que não consigo não gostar de um livro e desistir do autor/série, fui atrás dos outros livros da série pra tentar mudar um pouco a minha opinião...

Profundamente sua

No segundo livro da série, continuamos acompanhando Eva e Gideon em seu relacionamento. A atração intensa entre os dois continua presente na história, porém os conflitos só aumentam. O casal continua loucamente apaixonado um pelo outro, mas quanto mais os dois tentam solidificar a relação deles, mais o passado de ambos começa a ressurgir, obrigando-os a enfrentarem isso. Corinne, a ex-noiva de Gideon, reaparece, despertando em Eva um ciume imenso ao ver a dedicação que seu namorado tem perante a ex. Enquanto ela tenta lidar com sua insegurança, ela também tem que lutar contra seu passado. Nathan volta a atormentar seus pensamentos e a protagonista se vê assombrada pelas lembranças do abuso que sofreu. Mas a paixão que atrai Eva e Gideon é forte o bastante para fazer eles aprenderem a lidar com a bagagem do passado. Eles percebem que para ter um relacionamento que dê certo, terão que lutar contra isso, e aprender a lidar com a insegurança e os fantasmas do passado que os assombram. E é ai que está o grande destaque da história na minha opinião. As cenas de sexo continuam intensas e extremamente hot neste livro, mas podemos perceber o amadurecimento dos dois. Eva está mais decidida e acaba se abrindo mais com Gideon, enquanto ele, apesar de continuar guardando para si seus problemas e traumas do passado, faz de tudo para protege-la. Tenho que confessar que gostei mais deste segundo livro do que do primeiro, apesar de ainda não estar totalmente cativada pela série. Com o desenrolar da história a curiosidade em saber o que aconteceu com os personagens no passado, ou o que acontecerá com eles a partir dali acaba nos prendendo a história. E o final do livro me fez correr para o terceiro para saber o que vinha a seguir.


Para sempre sua
Depois do fim avassalador do segundo livro da série, Eva tem a prova de que Gideon é capaz de fazer tudo pelo seu amor, Porém, isso faz com que o casal se vê a frente de um novo obstaculo: Eles não podem mais assumir um namoro. Pelo menos, não publicamente. Por causa disso, eles iniciam então um relacionamento proibido, tentando esconder ao máximo essa relação de todos. Porém, isso não será tão fácil. (Que graça teria se fosse fácil e simples, né?) Gideon tem em sua cola uma jornalista determinada a revirar seu passado, e descobrir todos seus segredos. O grande foco do livro continua sendo o romance entre os protagonistas. Apesar de Gideon continuar com seu autoritarismo e super proteção perante sua amada, podemos perceber o quanto ele amadureceu desde o primeiro livro. Depois de mostrar a Eva o que ele é capaz de fazer por amor, percebemos que ele fica mais romântico e um pouco mais aberto em seu relacionamento. As cenas de sexo entre  casal continuam ainda mais hot, e extremamente detalhista, como a autora sempre fez. Na minha opinião, isso continua sendo muito exagerado, e até mesmo desnecessário, escancarar tanto o sexo entre o casal, mas esse acaba sendo o grande diferencial da história, então pra quem gosta, é um prato cheio. O livro era para ser o último de uma trilogia, mas a autora acabou transformando Crossfire em uma série, então teremos mais da história de Gideon e Eva pela frente. Eu não vi nenhuma necessidade de estender tanto essa história. Acho que se a autora quisesse, ela poderia muito bem compactar toda história em três livros. Os fãs da série com certeza ficarão felizes em ter mais de Gideon e Eva pela frente. Eu, já não sei se terei paciência para acompanhar mais a história. Cheguei até o terceiro livro porque precisava ver como essa história termina e Para sempre sua acabou pra mim sendo mais do mesmo.

Em suma, mesmo depois da decepção do primeiro livro, não vi nenhuma mudança na série que me fizesse gostar realmente de toda história. O casal, cada um com seus traumas e fantasmas do passado, continuam lutando por um relacionamento normal, sem que essa bagagem os afete, mas isso acaba sendo muito difícil para eles (principalmente para Gideon). Apesar disso, o sexo entre os dois é uma coisa louca, que nunca falta e a autora faz questão de detalhar cada ação. Mas isso pra mim só fez meu desgosto com a série aumentar, porque achei tudo muito exagerado, desde a quantidade de cenas de sexo, até o detalhamento delas. Talvez um dia ainda volte a dar uma chance a Sylvia Day, e ao casal Cross. Mas por enquanto, prefiro terminar essa série por aqui.
3 comentários