Dearly, Departed - Lia Habel

Ele beijou meu pulso, no lugar em que o botão deixava uma abertura e depois deixou minha mão cair. Naquele instante achei-o total e absolutamente atraente – a maneira sincera como me beijou, e seu jeito elegante de ocupar o espaço. Ele era tudo isso, quando, em sua condição, não deveria ser.


Nora é uma adolescente de 16 anos que tenta levar a vida após a morte de seu pai, doutor Victor Dearly. Nora estuda em uma escola para garotas com sua melhor amiga, Pâmela Roe, mas ao fim de cada ano letivo, retorna para casa e para a companhia de sua insuportável tia Gene, uma viúva fútil que pensa apenas em alcançar o status mais alto da sociedade, nem que para isso precise sacrificar Nora e arranjar-lhe um bom casamento.

Apesar da educação que recebe para tornar-se uma dama de primeira classe, Nora sempre fora diferente das outras garotas. Sempre gostou de saber sobre as grandes batalhas e histórias de guerra e interessava-se pelo movimento Punk (os que rejeitavam a aristocracia na qual o novo mundo vivia). Gostava de ter voz, não de ser ignorada pelos rapazes e ter que ficar apenas entre as senhoritas de sua idade falando sobre joias ou da última moda. Sua vida pacata ia bem, até o dia em que um sujeito misterioso tenta raptá-la. E então seu mundo vira de pernas para o ar.

No ano de 2195, Lia Habel nos traz de volta a era vitoriana. Após a devastação de inúmeros países por desastres naturais, guerras e a explosão do supervulcão do parque de Yellowstone, o planeta virou uma grande bola de gelo e, o que sobrou da humanidade, foi obrigado a migrar de forma massiva para as Américas Central e do Sul. Os sobreviventes mais fortes reuniram-se em tribos, formando uma mescla de remanescentes de todas as nacionalidades tornando-se responsáveis pela reorganização dos territórios. Foi então que se conclui que vitorianismo seria eleito o melhor exemplo de civilidade e assim o fizeram.

Mesmo num futuro distante e havendo toda a tecnologia que se possa imaginar – o que seria meio futurista –, a série foi enquadrada dentro do gênero steampunk (que tem tecnologia demais para seu tempo) por ter adotado o vitorianismo (onde se viam carruagens, damas usando vestidos longos e sombrinhas...), sendo então chamado de neovitorianismo e, na minha opinião, toda a magia da história deve-se a isso. Uma vez que as mocinhas não se contentam em ser frágeis damas e arregaçam as magas para lutar por suas vidas e por quem amam, além de ser bem diferente ver este cenário sendo invadido por mortos-vivos.

Dearly, Departed narra, de forma brilhante, uma nova perspectiva acerca dos zumbis. Embora Nora Dearly seja cotada como a protagonista, outras personagens foram tão bem caracterizadas e construídas, que poderia ser qualquer uma delas. Apesar de “secundárias” por assim dizer, cada uma narra a partir do seu ponto de vista e temos então uma visão panorâmica de toda a trama, preenchendo lacunas e eventuais perguntas que surgem durante a leitura. O que considerei awesome!

Os zumbis entram em cena após a propagação de uma proteína que sofreu mutação, a Príon Zr-068, que se replica de forma rápida e fatal no organismo humano. Chamada de Síndrome de Lázaro (aquele a quem Jesus ressuscitou) esta doença é semelhante a da vaca louca, que danifica, especialmente, o cérebro. E, após reanimar e controlar o corpo dos mortos, busca um novo hospedeiro. Vide Resident Evil e a experiência da Umbrella Corporations.

Entretanto, diferente do mega sucesso RE, Lia desenvolveu dois diferentes tipos de zumbis: os Cinzas, zumbis descontrolados ávidos por entranhas de qualquer coisa que tenha sangue quente, e os Não-Vivos, zumbis que não tiveram seu tecido cerebral gravemente danificado e são capazes de nutrir inteligência e raciocínio – apesar de terem um curto tempo de “vida” após a morte –, controlando o desejo por carne.

O corpo se reanima em qualquer momento entre um segundo e seis minutos depois da morte. Quanto mais rápido isso acontecer, mais saudável você será. O cérebro não perece até que o coração e os pulmões parem... é a falta de oxigênio que o mata. Pág. 173

Fiquei maravilhada com a quantidade de termos científicos lidos, o que nos mostra que a autora se aprofundou na pesquisa para criar seu mundo de monstros. Talvez, para pessoas que considerem a genética um grande bicho-papão, as coisas possam parecer meio confusas, mas para quem entende... É magnífico! E, esse conjunto de informações citados acima (e muitos outros não citados, ou escreveria um livro ao invés de uma resenha), formam um livro sensacional repleto de nerdices (história, ciência, tecnologia), ação, suspense e, claro, romance. Um romance puro e inocente que você acompanha desde o nascimento e torce a cada página por ele.  É impossível não se envolver.

Você é a garota certa! rugiu de repente. (...) Você é a garota certa, por dez mil razões! Nunca senti nada assim antes... (...) Mas Wolfe está certo. Eu não sou o cara para você. Sei que nunca poderei ser... Nunca poderei ser o que você precisa. (...) Mas tenho vivido os melhores momentos da minha vida, fingindo que podia ser seu. Obrigado por me permitir isso. Págs. 324/325

Apesar dos vários pontos de vistas, a narrativa não é, em nenhum momento, cansativa ou perde o ritmo. Ao contrário, é de uma fluidez impressionante e você não quer largar até terminar. Fui capaz de construir cada cena e cheguei a sentir o coração acelerar enquanto lia sobre os mocinhos correndo do mar de monstros, subindo e descendo escadas, escalando telhados... E me derreter com as palavras apaixonadas de Bram. Além de sentir um ódio mortal por certas personagens peçonhentas que não posso citar, senão estarei entregando o ouro a vocês.

Todavia, como nem tudo são flores, preciso citar os pontos negativos. Sobre a história, não há nada de negativo que seja relevante o suficiente para ser citado, mas com relação à revisão... É uma pena, mas ficou a desejar. Palavras com erro de digitação, gêneros EQUIVOCADAMENTE colocados (homens NUNCA, JAMAIS dizem OBRIGADA), erros gramaticais bobos, como por exemplo: PORQUE você fez isso? PORQUE você fez aquilo? Minha nossa senhora da Língua Portuguesa... PORQUE junto para pergunta/interrogação? Kill me, please. Acertaram até nos porquês mais difíceis, mas erraram nos mais simples. Além disso, achei vários erros de continuação.

E, não. Não sou uma jedi do português, mas todo leitor deve saber, no mínimo, as regras básicas gramaticais. Concordam? Então é isso. Com exceção desses “detalhes”, a obra é de tirar o chapéu e indicar a todos que AMAM sobrenatural. E zumbis. Claro.

Comentários
38 Comentários

38 comentários:

  1. Eu já vi essa capa em algum lugar...eu pensava que fosse ser uma história totalmente diferente (quando vi a capa) mas aí comecei a ler e...ZUMBIS?!?
    Eu sou chato pra caramba com erros ortográficos...hauahau
    Bem, enfim...o livro parece ser legal, apesar das pequenas falhas...

    ResponderExcluir
  2. Bem o livro parece ser interessante, com um tema futurista , com zumbis e tudo mais, mas no momento eu quero mesmo é ler coisas mais leves e divertidas. Quem sabe mais pra frente eu me aventure. Beijos,

    ResponderExcluir
  3. é inovador essa coisa de ser zumbis em um tempo antigo, com a beleza da belle époque, essa coisa do chique, da formação para ser uma dama, mas não me cativou, pois essa coisa de sobrenatural pra mim ja deu!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Sabrina, que legal que a autora aprofundou e pesquisou muito. É gostoso ver esse carinho né? No momento estou focando em histórias mais realistas, mas para quem gosta do estilo parece um bom livro.

    Bjs, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  5. Eu até fiz um post no meu blog sobre alguns erros que encontrei no livro. Isso me irritou profundamente. Eu mandei uma mensagem pelo site da editora, mas não tive resposta. No twitter me mandaram um endereço de e-mail para eu enviar a mensagem de novo, ainda farei isso.
    De qualquer forma, não achei essa história grande coisa assim não hahah

    http://sobrelivroseletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Ainda não conhecia esse livro mas me pareceu super interessante. Uma pena quando tem esses erros bobos de revisão né! Realmente ficamos chateados.

    Beijos.

    http://livrosetudoqueadebom.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Fiquei interessada no livro, acho legal as histórias que nos levam pra um ponto onde nao imaginávamos chegar (tipo... zumbis com essa capa, eu nao esperava).

    ResponderExcluir
  8. Nossa encontrar erros assim em livros bom é sempre difícil hein !!!
    Eu não sei...gostei da sua resenha (e apesar de não gostar de zumbis) acho que vou dar uma chance!

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Achei muito interessante sua resenha, principalmente pelo fato de ela me cumprir seu papel de introduzir uma nova leitura.
    De inicio achei que eu veria apenas um romance ocorrendo em Londres antiga. Mas me deparo com um futurismo. Achei mega interessante, a não ser pelo fato de zumbis, mas creio que até disso eu vou gostar.
    Não gostei muito da capa, creio que para a história poderiam ter inovado mais.
    Em relação aos erros de português, isso é um problema... Revisores, atenção!!!

    Gostei muito da Resenha, Parabéns.

    Jônatas Amaral
    alma-critica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Eu achei que era um livro em inglês, daí eu vi o selo da iD. Não conhecia esse livro, na verdade nunca nem ouvi falar dele. Eu adorei a premissa, tipo, donzelas e carruagens ao lado de zumbis foi realmente novo para mim, já entrou (mais um) pra minha lista de próximas leituras.
    Você tem todo direito de reclamar desses erros ortográficos. Acho que a editora deveria prestar mais atenção na hora em que faz a revisão, pois isso influencia muito na hora de comprar outro livro da mesma editora.

    ResponderExcluir
  11. Adorei a trama, juntar zumbis de diferentes tipos, com a era vitoriana, moçinhas que sabem brigar e um romance fofo!!
    Pena que houve tantos erros bobos de gramática =( Isso realmente é desanimador durante a leitura.
    AMEI a capa e pretendo ler logo o primeiro volume para poder ler o segundo em seguida.

    ResponderExcluir
  12. Sério meu, pra começar ótima resenha. Capa, NADA a ver com o livro nem o título,- na minha opinião-. Assim, a história pelo que tu fala, tem cara de ser aquela história.., digamos, misturada entre muitas ''crenças'' e muitos tipos de histórias. O tempo que se passa, é um tempo bastante interessante por causa da mistura de épocas.

    ResponderExcluir
  13. Apesar do livro nunca ter me chamado a atenção, quando você zumbis, já fiquei animado. Eu amo zumbis, e uma história que possua eles e ainda é steampunk, é mais do que recomendado, apesar de eu achar meio louco a trama - punks e etc. Mas caso haja oportunidade, verei se conseguirei ler o livro, pois ainda não é uma prioridade.

    - pensamentosdojoshua.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. a história em si parece ser incrível, mas esses pontos negativos que você citou me deixaram muito decepcionada...
    odeio quando encontro erros ortográficos em livros... mesmo que sejam mínimos, já desanimo. mas pelo o que você citou, nesses ai tem alguns meio cabulosos em hahaha

    ResponderExcluir
  15. Eu adorei a capa desse livro, e adorei a sinopse. Nunca li nada sobre zumbis, não me chamam muito a atenção, mas pela resenha fiquei muito curiosa!!
    É uma pena esse problema de revisão, já tinha ouvido comentários de que os livros dessa editora tem muitos erros (e é uma coisa que me incomoda muito), e o pior é que os livros não são baratos…

    ResponderExcluir
  16. Que capa linda, confesso que sempre que vou comprar um livro a capa sempre me faz querer mais ou não o tal livro. Desde que li a série Senhores do mundo subterrâneo da Gena, fiquei viciada em livros sobrenaturais e esse em especial me chamou muito a atenção, estou encantada com ele, desejo muito. Bjokas!

    ResponderExcluir
  17. Nossa, estou chocada com como a minha ideia desse livro estava totalmente equivocada! Eu sempre achei que fosse um YA que se passa nos dias atuais... Daí comecei a ler a resenha e achei que era um romance histórico. E depois BAM!!! Steampunk. Tô boba até agora.
    A história em si parece ser muito legal. Mas essa coisa de zumbis... Eu adoro sobrenatural, mas zumbi é um dos poucos temas que eu não gosto dentro do sobrenatural. Mas acho que vou dar uma chance ao livro msm assim.
    Uma coisa que me chamou a atenção é o fato do nome do cara ser Bram. Bram é o nome do escritor de Drácula! Não acho que seja só coincidência, haha
    Quanto á revisão/tradução... A iD sempre peca nesse quesito. É impressionante! Os leitores sempre descem o verbo neles por causa disso, mas nunca melhora. É uma pena, realmente.
    Enfim, ótima resenha!

    Bjs! http://nasquartasusamosrosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Já li alguns capítulos desse livro, mas em seguida eu abandonei. Não pelo fato do livro ser ruim. É ótimo, mas eu queria (e quero) a sensação de ler o livro em casa, pegar as folhas, apalpar a capa e tals... kkk
    Espero que logo logo eu realize meu prazer. =3
    Beijo

    ResponderExcluir
  19. Super interessante. Nunca tinha ouvido falar desse livro, muito menos da autora. Parece que a autora utiliza alguns elementos históricos para compor a narrativa e isso por si só já chama atenção. Fiquei curioso para saber mais sobre essas "duas espécies" de zumbis. A respeito da tradução, eu nunca li nenhum livro da editora, mais de fato, as reclamações são frequentes.

    ResponderExcluir
  20. Pela capa, imaginava uma história completamente diferente do que ela realmente é. Me amarro em sobrenatural e steampunk, então meu interesse em ler esse livro aumentou em 100%. A única pena são esses erros de revisão que a Editora deixou passar.
    Espero ler em breve.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  21. Amo "nerdices", amo genética e amo ficção científica! Ou seja, a autora me ama e fez esse livro pra mim, né?!
    Não? Não, ok. ): hahahaha
    Brincadeiras a parte, Ceile, você escreve muito bem, eu sempre fico encantada com as resenhas que você faz e mais uma vez, essa ganhou meu coração.
    Quero muito comprar esse livro, de verdade. Fiquei apaixonada pela sinopse!

    ResponderExcluir
  22. Oi
    Eu queria ler esse livro, nunca li nenhum do gênero steampunk, mas confesso que fiquei com o pé atrás com relação a zumbis, sinceramente tenho preconceito contra eles, rs, consigo "encarar" vampiros, lobisomens e bruxas mas não sei... zumbis para mim já é de mais. Kkkk

    ResponderExcluir
  23. Pela capa eu não daria nada pelo livro, mas quando fui lendo sua resenha no começo achei que ia ser uma simples historia, mas eis que surgi os zumbis e... POW....OMG!!!!!!!!
    Necessito urgentemente ler, apesar de não saber muita coisa sobre o meio cientifico, o livro parece bem bom como você descreve.
    Sim, todo leitor deve no minimo saber as regras básicas.
    Uma das melhores resenhas que eu li até agora, parabéns.
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Ai, nem me fale sobre erros ortográficos! Sei que não sou expert nem nada, mas palavras simples como essas que você citou realmente me incomodam muito na hora da leitura. ): Olha, só de ler a sua resenha já fiquei surpresa, quem dirá quando ler o livro?! Quando comecei a ler, nunca imaginava que se trataria de uma história de zumbis. E eu sou looooooouca por zumbis! *-* Com certeza esse livro entrou pra lista dos mais desejados pra mim! Não sei o quê eu gosto mais, se é a ação, o nervosismo por torcer pros mocinhos correrem e escaparem dos monstros... Mas, fiquei curiosa com essa coisa de espécies diferentes de zumbis. E essa coisa toda de termos científicos também me atraem bastante. Ah~ Eu quero! hehehe

    ResponderExcluir
  26. Achei a capa muito bonita, mas a história em si não me atraiu, pois mistura muitos elementos - apenas questão de gosto mesmo, prefiro mais realismo.
    E partes científicas também não sou muito chegado, acho que complica a leitura.
    Bizarro editora ter cometido erros bobos gramaticais.
    Por último: não entendi o título ser em inglês.

    ResponderExcluir
  27. Mais um livro sobre zumbis, adorei o enredo, mas a capa me enganou bastante apesar de ter adorado (eu gosto de avaliar as capas, eu sei que não se deve julgar o livro pela capa mas, fazer uma avaliaçãozinha não faz mau) eu pensava em algo do passado, e tava até convencida disso até terminar de ler a resenha (até você me enganou). Ah, eu adorei a história, fiquei bastante curiosa para ler, fiquei empolgada com um pouco da sua descrição da ação que tem no livro. Só fiquei um pouco triste com os erros gramaticais.

    ResponderExcluir
  28. Uma coisa que eu amo é livros de zumbi mais um dos últimos que eu li me deixou traumatizada, fala de uma legitima fã de The Walking Dead. Nunca tinha ouvido falar de Dearly, Departed mas me interessei bastante mesmo com os erros gramaticais, uma coisa que eu odeio. Estou com medo de ficar irritada com o livro. Mas, poderá ser a minha próxima aquisição

    ResponderExcluir
  29. Adorei a historia ser ambientada no futuro, mas com elementos do passado, bem diferente de tudo que já li! Personagens fortes e cativantes e narrativa envolvente é tudo que a gente quer encontrar numa leitura, pena os erros bobos de português, mas isso já é culpa da revisão da Editora, infelizmente! Adorei a resenha e fiquei apaixonada por essa historia, quero ler, quero ler, quero ler.... :)

    ResponderExcluir
  30. Não conhecia o livro nem a li nada da autora ainda. Mas é incrível quando você consegue realmente entrar na história, imaginar tudo e sentir sensações diversas. Quero ler, sem falar que amo histórias com zumbis!

    ResponderExcluir
  31. Pela capa eu nunca adivinharia que esse livro trata de zumbis. Mas depois de saber disso fiquei totalmente empolgado, tudo que tenha zumbis me chama atenção e fiquei feliz de saber que a autora sabe muito bem utilizar termos e informações, isso enriquece muito o livro. Toda a riqueza de detalhes em sua resenha me empolgou bastante para dar uma chance e conhecer este livro!

    ResponderExcluir
  32. Ah como eu fiquei com vontade de ler esse livro. Adoro quando a temática é a destruição do mundo e ainda tem a doença zumbi ai causada por uma mutação de proteína?! Eu realmente tenho que ler esse livro *0*

    ResponderExcluir
  33. Pode até ter um erro aqui e outro ali, mas no todo a trama parece que é muito boa mesmo. Ainda não consegui ler o meu ( SOCOOORROOO!) e fico doida toda vez que vejo algo sobre ele. Doida, maluca, pra ler esse e a continuação um atrás do outro.

    ResponderExcluir
  34. Juro que quando vi esa capa na livraria pensei em um romance de época, NUNCA imaginaria um romance distópico futurista de época hahaha ( eu inventei, mas é tudo o que a sua resenha passa). Agora eu estou mais do que a fim de ler o livro *-*
    Esses erros de português são chatinhos mesmo.. até que que sou super desligada teria reparado =/

    Beeijos, Dreeh.
    Livros e tudo que há de bom

    ResponderExcluir
  35. É impressão minha ou os autores estão apostando na era vitoriana?
    Era vitoriana e futurismo é algo inédito. Pela resenha parece ser o tipo de livro que eu amo, e que leria super rápido. O que me preocupa são zumbis, não vejo graça neles. Mas talvez esse livro mude minha opinião, idk.
    http://nuvensdecrepom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  36. Caracoles nossa, no inicio da resenha pensei que seria um livro de época, depois uma distopia, no final, não sei mais o que pensar!!! Só penso em ler! UAU.... Muito curiosa e animada pela estória!!!

    ResponderExcluir
  37. Eu achava que esse livro acontecia no passado. Histórias sobre zumbis ainda não me conquistaram, mesmo sendo bem construídas e cheias de termos científicos. Os erros gramaticais também me incomodam muito.

    ResponderExcluir
  38. Pela capa nunca imaginei que falaria de zumbis, gostei principalmente da parte em que há zumbis sanguinários...kkk
    Só que tenho outros livros de zumbis na frente, o que mais me chamou atenção foi a inclusão de termos de genética o que sem dúvida pode fazer com que adiante a leitura do mesmo. kk

    ResponderExcluir

Deixe sua opinão ;)

Comentários ofensivos serão excluídos.
Caso tenha um blog, deixe o link no final do comentário.