A Verdade Sobre Os Contos: A Rainha da Neve


Entrando nessa onda de Frozen, decidi fazer um A Verdade Sobre os Contos de A Rainha da Neve, o conto que inspirou o filme. Ele ganhou dois Oscar®: de Melhor Filme de Animação e Melhor Canção Original, e merece ter o seu próprio post. Começando com A Branca de Neve, já passamos pela Pequena Sereia, pela Rapunzel, pela Chapeuzinho Vermelho e pela Bela Adormecida.

Já aviso desde já que o conto original do Hans Christian Andersen não tem nada de nada a ver com o filme Frozen. Ele foi livremente inspirado, o que significa basicamente que tentaram (tentaram!) manter os personagens, mas que a história em si foi quase completamente modificada. Alguns dizem que é porque a história original é um pouco macabra, mas existem algumas outras explicações.

Uma delas é que o filme ficou sendo fomentado desde 1943 pelos estúdios Walt Disney! ISSO MESMO. Desde 1943, tendo outras tentativas sido feitas na década de 90 e em 2003. Mas só deu certo mesmo em 2011, mais especificamente no mês de Dezembro, quando a Disney oficializou o anúncio que já provocava burburinhos. Imagine o quanto o roteiro deve ter mudado em 70 anos.

Outra coisa é que mesmo nessa versão mais recente do filme, que originou Frozen, deveriam existir algumas outras coisas na história, como uma profecia. Pra quem tem a trilha sonora estendida do filme, já deve seguramente ter ouvido as versões das músicas em que se falava de uma profecia lendária, o nome da música é "Spring Pageant", e ela pode ser ouvida clicando aqui. Portanto, o filme Frozen mesmo já foi bastante modificado e cortado para chegar como chegou nas telas de cinema.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa!

1. Pra começar tudo, então. Elsa e Anna existem. Né?
Tecnicamente, sim. Elsa e Anna são duas personagens que no conto de Andersen não são irmãs, e Elsa não é (tão) boazinha. Elsa, a imagem da rainha da neve, no conto se chama A Rainha da Neve, e Anna se chama Gerda. A ideia geral é de que Kristoff seja o equivalente a Kai, mas isso pode mudar um pouco aí mais pra frente.
De início, basta saber que Gerda (Anna) e Kai (Kristoff) estavam passando as férias de inverno com a avó. A avó conta a história da Rainha da Neve para os dois, e Kai pergunta para a avó se a Rainha da Neve poderia vir até eles. Ela diz que sim, e Kai então faz um "desafio" ao vento para a Rainha, duvidando de que ela conseguisse chegar até ali, porque o garoto não acredita que ela realmente exista. Entretanto, à noite, enquanto Kai se prepara para dormir, vê pela janela que a neve forma uma forma humanoide e, finalmente, forma uma rainha, inteira de neve. Ela olha para Kai, sorri, e se desfaz. Esse é o começo do conto. Nada de Arendelle, nem de pais que morrem e nem de reino com portas fechadas, nem de conceal, don't feel, don't let them know. WELL NOW THEY KNOW, LET IT GO, LET IT GO.



2. Mas e o Hans?
Exatamente! Essa foi uma das coisas que eu achei MAIS interessantes nisso tudo. O prólogo de A Rainha da Neve tem muito a ver com ele.
Antes da história de Kai e Gerda começar, conta-se que um demônio (que varia para anão ou feiticeiro malvado, em algumas outras traduções) que vivia em uma nuvem criou um espelho. Esse espelho servia para piorar as coisas ruins dos outros. Portanto, uma pessoa chata, no espelho, ficaria ainda mais chata. Uma pessoa bonita, mesmo sendo linda, teria seus pequenos defeitos piorados muitas vezes, e isso faria com que ela ficasse feia.
O demônio fica muito feliz com a criação do seu espelho, e decide então que quer fazer mais uma malvadeza: quebrá-lo em pequenos pedacinhos e jogá-lo na terra para provocar discórdia. Esses pedacinhos se parecem muito com neve. É aí que dois desses pedacinhos caem em Kai no dia seguinte a ele ver a Rainha da Neve em sua janela: um no olho e outro no coração. Imediatamente, o coração de Kai fica gelado e ele começa a enxergar apenas o lado ruim das pessoas e das coisas, sendo extremamente rude com Gerda e ofendendo-a, coisa que nunca faria na sua vida. Gerda e Kai eram muito próximos, e inclusive haviam plantado rosas juntos. Kai quebra o vaso e arranca as rosas, dizendo que elas estão muito feias e esquisitas, e Gerda, chateadíssima, deixa Kai sozinho. Ele então é raptado pela Rainha da Neve.
E O  HANS? Pois é. O Hans, pelo que eu pesquisei e estudei (e li a Disney Wiki) É UMA REPRESENTAÇÃO DO ESPELHO. O personagem foi criado para introduzir a ideia que o espelho cria no conto original. É só vermos o quanto ele é manipulador durante as cenas e etc. Achei muito legal essa ideia. Enfim, vamos seguir em frente.

É claro que ele é estranho! Ele é um ESPELHO!

3. Então é como se o Kristoff tivesse sido... raptado pela Elsa?
Sim! Kai é levado pela Rainha da Neve até o seu país longínquo, mais especificamente para o seu castelo. Como Gerda estava brava com Kai, espera uns dias até ficar realmente preocupada com o sumiço e decide sair para procurá-lo. Ela então acaba indo parar em um jardim muito bonito, onde existia uma velhinha. Essa velhinha, muito acolhedora, penteia Gerda com um pente mágico, que a faz esquecer de todos os seus problemas. Entretanto, quando Gerda bate os olhos em um roseiral, lembra-se das rosas que plantava com Kai e volta a si. Ela então foge para o bosque, onde encontra uma garota que a ajuda, diz para Gerda onde Kai está e dá um cervo (SVEN! É bem capaz que esse seja o único personagem autêntico da história, que foi mantido) seu para ajudá-la a chegar até o país da Rainha da Neve. Gerda, dessa forma, chega à Finlândia. Ainda na Finlândia, uma tempestade de neve tenta afogar Gerda, mas ela ora e fica forte e acaba passando por isso também.
Diferente, certo? Em Frozen, ao invés de Anna (Gerda) procurar por Kristoff (Kai), ela procura por Elsa (Rainha da Neve). No conto original, Gerda acaba procurando pela Rainha da Neve também, mas só porque ela estava com Kai.

Sim, Kristoff. Compartilhamos do seu sentimento.

4. Ok, isso já tá uma loucura sem tamanho. Mas e a ideia do poder da Elsa que entra na Anna e congela o coração?
É, acho que isso veio da ideia do fragmento de espelho que faz com que o Kai fique mau, na história. Por isso que eu disse que essa divisão de "A Anna é a Gerda e o Kristoff é o Kai" não é bem delimitada. Veja bem, alguns acontecimentos que ocorrem com o Kai na verdade acontecem com a Anna e vice-versa.
Como eu já disse, o filme foi livremente inspirado no conto, o que só torna a tarefa de relacionar o conto com o filme mais difícil! Mas eu acho divertido fazer essas relações e releituras, então, em frente que atrás vem gente.

Vambora!

5. Mas e aí? Como o conto termina?
Finalmente, a Gerda chega até o castelo da Rainha da Neve, mas Kai não a reconhece porque está gelado e sem vida. Gerda, então, chora e canta a música que cantava quando ainda estavam na casa da avó. Assim, Kai começa a chorar e faz com que o pedaço de espelho que estava em seu olho saia, e as lágrimas de Gerda caem no peito de Kai, fazendo com que o pedaço de espelho do coração do menino saísse.
Os dois então, por mais velhos que fossem depois de toda a aventura, continuam muito unidos, pois por mais que já fossem adultos, continuariam para sempre crianças. A Rainha da Neve não estava no castelo porque tinha ido para os países quentes, então não se fala mais dela na história. Entretanto, fica sub-entendido que Kai só melhorou porque A Rainha da Neve o sequestrou e fez com que Gerda passasse por tudo aquilo pelo amigo. Sendo assim, ela o ajudou a se livrar dos fragmentos de espelho, e fez com que ele redescobrisse o amor pela família e pelos amigos.

YAY


A QUE CONCLUSÕES A GENTE CHEGA?
- Realmente, o conto não tem muito a ver com Frozen, mas ainda assim é muito legal.
- É claro que acontecem MUITAS outras coisas com a Gerda no conto, mas não cabe aqui! O conto é um dos maiores escritos pelo Andersen, e um dos mais aclamados também.
- Esse conto também é um dos mais adaptados para cinema e televisão! Tem MUITAS adaptações, e é só você dar  uma busca no Google que acha várias online. Vou indicar algumas bem legais aí embaixo.

Livros:
- Contos de Hans Christian Andersen - Editora Paulinas
- A Rainha da Neve - Tradução de Walcyr Carrasco - Editora Manole

Filmes:
- A Rainha da Neve (Série Contos de Fadas). Clique aqui para ver. (Passava na Cultura!)
- A Rainha da Neve (2012) - Maxim Sveshnikov, Wizart Animation e Inlay Film.
- Frozen (2013) - Chris Buck & Jennifer Lee, Walt Disney Studios.
Comentários
41 Comentários

41 comentários:

  1. Oiee adorei saber em que conto o filme Frozen foi inspirado,não conhecia esse conto!!! ^^
    Adorei tbm seu espaço,eu comecei um com a minha Amiga semana passada, te adicionei no meus sites!Passa por lá quando der! ^^
    Beijoos! ^^
    http://worldofmakebelieveblog.com

    ResponderExcluir
  2. http://worldofmakebelieveblog.wordpress.com/
    achoo q é mais facil de achar por esse! ^^

    ResponderExcluir
  3. Adoro esses posts! *--*
    Achei muito interessante, eu gostei muito de Frozen e na verdade nem sabia que havia sido inspirado em algo..

    Beijos!
    ~let it gooo~

    ResponderExcluir
  4. ADOREI! Não fazia ideia de qual era a origem da história! Bem diferente sim, mas não menos interessante :) Sou louca por Frozen, mas gostaria de conhecer esse conto também.

    ssentrelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Renato parabéns pela iniciativa de ir mais a fundo na história, muito legal mesmo, gostei bastante e nem imaginava que seria assim, Frozen foi um dos melhores filmes da Disney que assisti, mas meu Deus como demorou para ficar pronto hein.

    Beijos
    Passa lá:
    www.viagem-imaginaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. meu Deus nada é como a gente imagina!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. bizarro eu não conhecia esse conto, que é tão famoso. e como não assisti Frozen fiquei boiando um pouco no post hahahaha mas foi legal conhecer um pouco, apesar de ter achado estranho fantástico demais esse conto.

    ResponderExcluir
  8. Eu adoro esses posts, e com esse não seria diferente!
    Eu estou pensando seriamente em comprar o livro de contos do Hans. Olha onde vocês me levaram! hahaha
    Realmente é uma leve inspiração. Mas mesmo assim fofinha né?! rs
    Vou procurar mais sobre o conto!

    Beeijos, Dreeh.
    Blog Mais que Livros

    ResponderExcluir
  9. Nossa! Que mistura!! Eu vou dizer que nem sabia que tinha um conto que "inspirava" Frozen (mesmo que indiretamente).

    Já disse que adoro acompanhar essa série de 'A Verdade dos Contos de Fada'? Obrigada, Renato!

    Beijos,
    Lygia - Brincando com Livros

    ResponderExcluir
  10. Bom....eu sei que a Disney muda as paradas mas continuo amando mesmo assim. Nunca li nenhum conto de verdade do HCA, até queria juro, desde a pequena sereia...mas sei que a história foi mega modificada kkkkkk, mas quer saber, ficou tão legal assim!
    Eu vi um filme do conto um dia desse (achei no google mesmo), que nossa parei de ver pq era muito chato kkkkk
    Adoro essa sua coluna, na verdade todos os filmes Disney passam por essas modificações para atender público, grana, beleza, essas coisas, ficar mais agradável aos olhos...
    bjão e continue nos trazendo essas curiosidades!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Pequena Sereia original mesmo (dele dar uma leve mexidinha no fim para não botarem fogo nele kk) é triste demais e muito lindo ;-;

      Excluir
  11. Joguei umas vezes um jogo chamado "Dark Parables: The Rise of Snow Queen" (terceiro da série de jogos Dark Parables, do estúdio Blue Tea Games, em que A Rainha da Neve seria Branca de Neve, que tinha seu filho preso na maldição do sono e queria revive-lo a todo custo e achava que o espelho do mal a ajudaria com isso.

    ResponderExcluir
  12. Essa versão é um pouco diferente da que eu li quando criança, mas gosto da maneira como você conta. É uma das minhas histórias favoritas, até agora, tinha a impressão que só eu conhecia, rs... ^w^

    ResponderExcluir
  13. Os roteiristas da Disney poderiam ter usado toda essa erudição a que recorerram para dizer que um personagem representa um espelho para tapar os muitos buracos do roteiro de Frozen, o óbvio dos quais é a origem dos poderes de Elsa. E também quem governou o reino no período entre a morte dos reis e a maioridade das princesas (esse regente poderia ser um vilão mais evidente e facilmente identificável pelo público).

    ResponderExcluir
  14. A analogia entre o Kay da história de Andersen e o Kristoff do desenho não funciona. No conto, Kay não é companheiro de aventuras da protagonista, que enfrenta todas as peripécias sozinhas. O Kristoff do desenho, na verdade, nem tinha razão de existir e poderia ter sido suprimido sem prejuízo.
    O filme da Disney na verdade nada tinha a ver com Andersen, foi um uso indevido e até desrespeitoso do nome da obra e de seu autor (até usaram o prenome dele, Hans, para um vilão improvisado). O roteiro parecia muito mais uma adaptação mal-entendida de "O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa", das Crônicas de Nárnia, com sua história de inverno eterno e sacrifício reparador, do que com o conto de Andersen.

    ResponderExcluir
  15. Parabéns pelo post, gostei muito. Eu estava procurando este o conto, mas, como você disse, ele é extremamente longo, então não achei nenhuma versão completa na internet. Mas seu resumo foi muito bom, deu pra compreender bem o enredo da história, e a explicação de como ela se relaciona com Frozen ficou perfeita!

    Quanto às mudanças que os roteiristas fizeram com o conto original do Andersen, é bem compreensível que a história tenha ficado tão diferente, pois descobri na página de Frozen na Wikipédia que a Disney demorou setenta anos (SETENTA ANOS!!!) pra fazer esse filme!!! Eles tiveram a ideia de adaptá-lo logo depois de Branca de Neve, mas ficaram protelando porque achavam o conto original muito "sombrio" e queriam deixá-lo mais atrativo para crianças (a velha mania da Disney de deixar os contos de fadas mais "bonitinhos") e isso só aconteceu quando tiveram a ideia de fazer a Elsa ser boazinha e irmã da Ana, em vez de deixá-la como "vilã", como na história original.

    Já o fato de, no final, a Ana ser salva em vez do Kai/Kristoff, eu tenho apenas uma teoria... Acabei descobrindo que os produtores queriam mostrar uma versão diferente do "salva por um amor verdadeiro" que não fosse o romântico, como nos filmes anteriores, mas um amor mais profundo, sacrificial. Bom, minha teoria é que, caso esse "amor verdadeiro" fosse mostrado entre um homem e uma mulher (no caso a Ana e o Kristoff), não ficaria muito claro para as pessoas que não se tratava de um amor romântico e sim mais profundo, pois as pessoas poderiam confundir facilmente (sabe aquele preconceito de que não existe amizade entre homem e mulher? Pois é... ¬¬). Assim, eles podem ter decidido mostrar o amor entre duas irmãs, pois assim as pessoas perceberiam facilmente de que tipo de amor se trata. Bom, mas essa é a minha teoria, podem haver outras interpretações...

    Ah, não sei se só eu fiz essa relação, mas percebi que esse conto tem uma certa semelhança com outro filme: As Crônicas de Nárnia! Se vermos Rainha da Neve=Feiticeira Branca e Kai=Edmindo... Até porque eu encontrei uma outra versão resumida desse conto em que o encontro da rainha com o Kai é idêntico à cena em que Edmundo conhece a feiticeira no trenó... Será que há alguma relação também?

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade a maioria dos filmes da Disney/Pixar não tem amor romântico, porque tem como público-alvo crianças de 10 anos pra baixo, que não estão interessadas em namoro e muito menos em casamento. Vide filmes como o Cão e a Raposa, Toy Story, Procurando Nemo, todos do Ursinho Pooh, etc.

      Excluir
  16. Muuito bom !!! Assisti duas vezes no Teatro de minha cidade a uma adaptação musical do conto d'A Rainha Da Neve e ameeeei a história e as músicas !!! Quando fiquei sabendo que o musical estava em cartaz, não dei muito crédito pois pensei _Bom, deve ser só mais uma adaptação mal feita de Frozen_ e julguei muito mal pelo nome !!! Mas quebrei a cara ao assistir e ver essa história maravilhosamente envolvente ser interpretada por atores tão profissionais e com tão belas músicas !!! O grupo teatral que apresentou se chama Artemes. A conclusão é que agora eu sou um apaixonado pelo conto d'A Rainha Da Neve !!!

    ResponderExcluir
  17. agora faz mais sentido a Rainha da Neve e o espelho em Once Upon a Time

    ResponderExcluir
  18. Reli o conto da rainha da neve, e, na minha opinião, o personagem que mais teria a ver com o Kristof do desenho seria o da menina ladra, porque ela empresta a protagonista gerda a rena que lhe servirá de montaria. O Kai do conto é muito diferente de Kristof.

    ResponderExcluir
  19. bom... eu achei esse conto inspirador para as pessoas saberem mas e pesquisarem mas sobre as coisa e e eu estou dando parabens para a pessoa que deu essa incrivel esplicaçao para todos nos.......grata

    bom eu tenho apenas 11 anos mas entendo muito sobre as coisa principalmente sobre historias escritas sempre prolcuro ver a historia reul....

    ResponderExcluir
  20. bom peço desculpas por escrever algumas palavras erradas mas eu estava muito atrasada para um ir a um lugar.....mil desculpas

    ResponderExcluir
  21. A origem dos personagens de Frozen não deve ser buscada no conto da Rainha da Neve de Andersen, mas sim em filmes anteriores da própria Disney. Anna? Uma versão ruiva da Charlotte La Bouff de "A Princesa e o Sapo"; Kristoff? Uma mistura de Flynn Rider com o namorado de Anastacia Tremaine (a filha ruiva da madastra) em Cinderela 2 (o rosto é o mesmo). Hans? Uma versão elegante do Gaston. Elsa? Uma versão sem asas de Periwinkle, a fada da neve irmã da Tinkerbell, em "Tinkerbell e o Segredo das Fadas", um filme de 2012, com uma história que bastante o Frozen (Tinkerbell e Periwinkle são irmãs, mas são obrigadas a viver separadas uma delas tem poderes de inverno).

    ResponderExcluir
  22. Gostei da postagem ^^
    Ela me confundiu um pouco mas faz sentido,eu também via por esse angula de Elsa e Anna serem as crianças do outro conto,mas...
    Depois de chegar na 4ª temporada de “Once Upon a Time” a minha teoria sobre Frozen mudou completamente.Nessa temporada descobrimos que a mãe de Elsa e Anna tinha mais duas irmãs,uma com poderes mágicos igual o de Elsa,Ingrid(Rainha de Neve),ela foi aprisionada em um jarro,mas é achada por Elsa(aí que os mistérios surgem,e segredos são revelados,como que qualquer lembrança e rastro de Ingrid e a outra irmã, da mãe de Elsa e Anna,foram apagados,faz sentido neh?ninguém se lembra delas só os ogros de pedras),ela foi bulinada(risos) por seus poderes,e por isso queria Elsa e Emma(personagem principal da serie) como suas irmãs,ambas tem poderes,são loiras,e por algum motivo Emma é semelhante a outra irmã que não tem poderes (eu não sei o que aconteceu com essa outra irmã).Por esse motivo da Rainha da Neve querer uma família perfeita,e por aparecer o personagem da outra serie “Once Upon a Time in Wordeland” que perdeu sua irmã em um lago C-O-N-G-E-L-A-D-O...Minha teoria é:Rainha do Gelo é tia de Elsa e Anna,com esse poder dela que era visto com aberração algo ruim(pra mim não seria ruim,só se ela fosse do mal) e perigoso,ela virou uma doente em querer uma família perfeita que a amasse,enfim esses mistérios essa personagem se encaixa perfeitamente com o conto da Rainha de Gelo,e o outro personagem Valete de Copas(Michael Socha) seja o Kai ...Bom,existem varias teorias essa é a minha...Fala sério esses mistérios som bons neh?
    Eu sei,eu nem falo muito kk'
    Beijões...
    hum-morangos-frescos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  23. A Disney abandonou a história de Andersen, e fez outra desnecessariamente complicada e confusa. Não vejo nada de "sombrio" no conto original, e isso pode ser constatado nas diversas adaptações que foram feitas para a tela e que foram mais ou menos fiéis ao conto.
    Na história de Andersen, como foi dito, o menino Kai é afetado pelos estilhaços do espelho maligno, e se torna frio, desprovido de afeto, e maldoso. No fundo, a história é uma crítica à mentalidade racionalista-pragmática: quando Kai encontra a Rainha da Neve e fica assustado, tenta rezar, mas só consegue recitar a tabuada.
    A Rainha da Neve, por sua vez, é apenas uma personificação do inverno, e do racionalismo (Andersen diz que, em seu castelo, ela se assentava sobre um 'espelho da inteligência').
    Gerda, amiga de Kai, sai em busca dele, e empreende uma longa jornada na qual: 1) fica refém de uma feiticeira; 2) conhece uma princesa super-inteligente, que a ajuda; 3) encontra uma ladra, que lhe empresta uma rena para montar; 4) encontra uma camponesa do extremo norte da Noruega; 5) é ajudada por uma mulher da Lapônia; 6) chega ao castelo da Rainha da Neve e descongela o coração de Kai com suas lágrimas; 7) retorna com Kai para a casa de sua avó.
    Não há nada de sombrio aqui, nada que se possa comparar, p. ex., com o Corcunda de Notre Dame, ou mesmo com a morte da mãe de Bambi ou de Mufasa.
    Acho que a Disney mudou a história somente para evitar comparações com "Enrolados": foram excluídas a feiticeira, que poderia ser comparada à Mãe Gothel, e a ladra dona da rena, que poderia ser vista como um Flynn Rider de saia, foi transformada no Kristof, que tem uma rena.
    Quanto à questão do romance ele inexiste no conto de Andersen, onde aliás o único beijo que ocorre é dado pela Rainha da Neve no Kai; o relacionamento entre Gerda e Kai não tem nenhuma conotação de romance, e a Disney poderia explicitar isso fazendo dos dois personagens irmãos. Fazer da Elsa uma personagem que acumula (e mal) os papéis de Kai e da Rainha da Neve (que nada tem da figura amedrontada e descontrolada que aparece no Frozen) foi uma opção que resultou confusa e mal-desenvolvida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,

      Vejo sim muitas partes sombrias no conto original de A Rainha da Neve. Não existe uma comparação cabível com Corcunda de Notre Dame, que tem outro público, adulto. As partes do início com o anão e as partes em que Gerda fica completamente sem saber o que fazer a procura de Kai são bastante sombrias. Mas ainda acho que a parte mais sombria é o elemento desesperador do conto.
      A Disney tinha o propósito, sim, de adaptar A Rainha da Neve, mas acabou resultando em Frozen porque passou por um processo de re-escrita de muitas décadas, já que o próprio Walt Disney não queria fazer um filme mal feito.
      Tentei desenvolver uma espécie de intertextualidade entre o filme e a obra de Andersen, considerando que, não importando a instância de fidelidade, o filme é uma adaptação do conto. Assim sendo, e desenvolvendo apenas algumas características comuns, comparei os personagens de Kai e da Rainha da Neve (que nada tem de cruel no conto original, tampouco) com o personagem da Elsa. É claro que, assim como todas as críticas literárias, isso não busca ser a verdade absoluta: é um exercício. Os personagens nunca vão ser absolutamente iguais: eles não são os mesmos.

      Enfim, obrigado pelo comentário! E vale sempre lembrar que cada interpretação e análise do conto de Andersen tem como relevância a parte que importa para o interpretador e analista. E o que o Andersen disse ou deixou de dizer da própria obra não importa: o que importa é a construção de sua argumentação.

      Excluir
    2. Ainda que seja um projeto antigo, foi retomado pela Disney recentemente, muito em função do sucesso de Enrolados, e foi todo reescrito em função da linha Princesas.

      Excluir
  24. Walt Disney podia não querer fazer um filme mal feito, mas seus sucessores o fizeram. Frozen tem enormes furos de roteiro, é só procurar na internet por "Frozen plot holes". P. ex., qual o motivo do Olaf existir? É um alívio cômico, mas sem nada que justifique sua presença.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ideia de filme "mal feito" era mais gráfica e visualmente mesmo, nada a ver com roteiro. :)

      Excluir
    2. Já que você se referiu ao aspecto gráfico, ontem encontrei no youtube um vídeo interessante, que dá uma idéia de como Frozen poderia ter sido, se fosse uma animação da velha Disney. Claro que não é uma obra perfeita, já que é uma montagem caseira, mas achei bastante engenhosa:
      https://www.youtube.com/watch?v=twzCYg_qqbA

      Excluir
    3. E na verdade, Frozen não é tão bem elaborado visualmente, quando comparado a outros filmes, como A Origem dos Guardiões, como se pode conferir neste link:
      http://frozen-sarcasm.tumblr.com/post/115841378266/mockeryd-laziness-is-a-life-style-mockeryd#notes

      Excluir
  25. A adapttação da Rainha da Neve feita na série Contos de Fada da Shelley Duvall, que é mencionada num link do artigo, mostra que a história podia perfeitamente ser apresentada às crianças, sem nada que pudesse ser considerado assustador. Mas, aparentemente, não era a história que os produtores queriam contar, pois preferiram recorrer à crítica ao amor romântico, que a Disney vem fazendo desde "Encantada".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hm, depende muito do seu conceito de assustador. Você já viu a adaptação dela de Rumplestilskin? É bem assustadora. (Eu tinha medo quando criança, pois assistia essa série).
      Acho que críticas ao amor romântico são inválidas vindas da mesma produtora que tem uma base forte de Princesas românticas, e inclusive que re-lançou Cinderela há pouco mais de algumas semanas.

      Excluir
    2. Assisti, sim, a adaptação de Rumplestilskin e outras da série, quando passava na Tv Cultura. É um fato inegável que contos de fadas tem aspectos assustadores, e acho que é uma forma de preparar a mente das crianças para aspectos ruins da vida. O próprio Frozen, embora tenha mudado toda a história de Andersen, acabou criando momentos assustadores, como quando Elsa cria um monstro de neve para expulsar a irmã do seu castelo de gelo.

      Excluir
  26. É fato que a Disney tem uma base forte de Princesas românticas, e lançou uma nova versão de Cinderela há pouco mais de algumas semanas, mas também é fato que as produções da empresa se tornaram alvo de um certo escárnio fácil de gente que acha que as chamadas princesas Disney são bobocas que vivem sonhando encontrar um príncipe e que vivem na dependência deles, e os atuais executivos da empresa resolveram tirar proveito disso, zombando da história do estúdio: a Gisele de Encantada, a Charlotte La Bouff de A Princesa e O Sapo e a Anna de Frozen foram piadas explícitas sobre o romantismo dos velhos filmes. Toda a cena de Hans e Anna (Love is a Open Door), foi uma piada com cenas românticas musicais, como o baile da Cinderela e a dança de Aurora com Philip (Once Upon a Dream).
    É claro que a Disney está cuspindo no prato em que comeu, mas pouco se importa, desde que tire lucro disso. Zombar de sua tradição romântica rende elogia dos críticos, que louvaram muito Encantada (hoje esquecido) e Frozen como filmes 'progressistas', e ajuda a vender ingressos de cinema.
    É mesmo uma hipocrisia de um estúdio que só existe por causa de seus filmes 'de mulherzinha'. Foi Branca de Neve quem pôs a Disney no mapa, Cinderela quem a salvou da falência, e Ariel e Bela quem a tiraram de suas décadas de marasmo financeiro.

    ResponderExcluir
  27. As crianças não terão tempre achado assustadora a história de Rumpelstinkin, mesmo quando lida para elas? Os contos de fada não tinham o objetivo de transmitir uma visão rósea do mundo, como alguns pensam, mas sim de ajudar as crianças a lidar com o medo que já existe em suas mentes. Os psicólogos explicam isso.

    ResponderExcluir
  28. Adorei estava procurando já fazia algum tempo o filme da cultura. Pois sabia que havia algo de errado com a estoria da frozem eu conhecia o conto original. mas quando assisti o filme da cultura era muito criança

    ResponderExcluir
  29. Essa historia se parece com o filme reino gelado
    mas gostei

    ResponderExcluir
  30. Quero lembrar que o conto de Andersen foi filmado em 1957 na Rússia numa primorosa animação dirigida por certo L.Atamanov; o produtor seria Mikayl Barytchnikov (sei lá se é assim que se escreve) mas isso não bate, pois ele não teria idade. Em 1994 Naoko Takeushi supervisionou o desenho longo japonês "Corações em gelo" baseado no mangá Sailor Moon, episódio "O namorado da Princesa Kaguya"; ora, a vilã desse animê, que é excelente, enfrentada por Sailor Moon, é simplesmente a Rainha da Neve. Pode-se também identificar esta personagem com a Feiticeira Branca das "Crônicas de Nárnia" de C.S. Lewis. Não sabia que o grande Walt Disney havia planejado este desenho "Frozen". De fato ele deixou muitos projetos e ainda não fizeram o de Dom Quixote. (Miguel)

    ResponderExcluir
  31. Esse negócio de Hans ser um espelho metafórico é outra coisa que ficou mal explicada. Na cena da traição, ele estava espelhando quem?

    ResponderExcluir

Deixe sua opinão ;)

Comentários ofensivos serão excluídos.
Caso tenha um blog, deixe o link no final do comentário.